Navigation Menu+

Vampiro: Eixo Recife/Rio By Night

Posted on Aug 13, 2010 in AP&C

img04

Dbohr, Renato de Recife e Blefadora vasculham as criptas do RPG para trazer a vocês as histórias, lendas e bizonhices de “Vampiro – a Máscara”! Afie suas presas, mobilize seus ghouls, e prepare um background de vinte páginas para relembrar as noites de glória dos anos 90!

00:15 – AP&C apresenta Vampiro a Máscara!
01:39 – Origens do jogo
08:55 – O que Vampiro tem de bom?
20:28 – O que Vampiro tinha de ruim?
29:35 – Live Actions
45:56 – Histórias legais ou bizonhas
59:18 – Fazendo revival de vampire
70:47 – Encerramento

Depois de ouvir, comente este episódio no TPK Brasil.

[relatedPosts]

Listen to Stitcher

17 Comments

  1. Faltou dizer que o eixo era Belém-Recife-Rio de Janeiro :-)

  2. Hehe
    tive que inventar um nome pra dois ep's de vampiro, sem ter escutado nenhum….

  3. Sabe o que é engraçado? O AP&C tá virando meu podcast favorito EVER. Sabe como é, velho adora lembrar do passado :-D

  4. Hummmm não é inteiramente verdade, meu véio: nós tivemos uma roda de alguma constância onde a ênfase era o role-play, em Vampiro, numa roda de poucos personagens: #johnleebaker, #erikdevalle e quetais.

    13:40 Entrevista Com o Vampiro é o que Vampire pretende que suas rodas seriam. A Rainha dos Condenados é o que ocorre na prática. :)

    Pra não dizer, como se não bastasse, eles mandaram o módulo do Sabá. :)

    18:06 Mais ou menos. Coteries eram vistas pelos módulos oficiais, às vezes. A sensação de Impending Doom pela Gehena afrouxavam certos purismos. Conquistar a confiança sempre pôde ter sido um tema constante. Ou, mais simplesmente, Eles não se suportam! BUT TOGETHER, THEY FIGHT CRIME!

    26:00 Pô, não sabia que tinham feito Blues Brother RPG :)

    29:35 Live Action sempre me pareceu uma forma de gerar fofocas artificiais :)

    1:05:25 eu lembro, num site de fã, que foi criado certa vez o True Human… :)

  5. "Hummmm não é inteiramente verdade, meu véio: nós tivemos uma roda de alguma constância onde a ênfase era o role-play, em Vampiro, numa roda de poucos personagens: #johnleebaker, #erikdevalle e quetais. "

    Por outro lado, era um jogo em que depois de dois anos de tempo real tinha-se passado o quê, duas semanas de tempo de jogo? As sessões eram intensas (em todos os sentidos!) e o xp era relativamente farto, considerando tudo :-D

    "18:06 Mais ou menos. Coteries eram vistas pelos módulos oficiais, às vezes. A sensação de Impending Doom pela Gehena afrouxavam certos purismos. Conquistar a confiança sempre pôde ter sido um tema constante. Ou, mais simplesmente, Eles não se suportam! BUT TOGETHER, THEY FIGHT CRIME!"

    Não sei como ficou no Requiem, mas eu sempre achei a solução das Coteries muito melhor do que o Vampire-padrão que se via em qualquer lugar. No meu jogo medieval era assim: uma Coterie muito forte de uma Nosferatu, seu amante Brujah (eew ;-)), seu amigo em comum Toreador (!) e ocasionais flutuantes. E era Do Cacete ™ ;-)

  6. Dp desse cast, cara, vou jogar fora meu livro de WoD. E sobre Mago? Salva?

    • Véio, quem é qquer um de nós para te dizer o que presta ou não? Vc é embalado no colo do que dispara sua cerotonina, simples assim.

    • Alguns dos meus melhores jogos de todos os tempos foram no velho Mundo das Trevas (não joguei o novo, dizem que o sistema é muito bom). Como diz o Granamir, você tem que jogar o que você curte. Aqui estávamos detonando muita coisa, mas elogiando o que era maneiro também.

  7. "Por outro lado, era um jogo em que depois de dois anos de tempo real tinha-se passado o quê, duas semanas de tempo de jogo? As sessões eram intensas (em todos os sentidos!) e o xp era relativamente farto, considerando tudo :-D "

    Ué, nada é perfeito, maaas… a questão do role-play e dessa intensidade era adquirida. E ambos eram o alvo do que o sistema pretendia.

    O lance é que a coterie no VtM era meio largadona, não era uma célula social (eta papo EMC…) tão salientada ou importante como nos demais, tvz devido ao tão citado individualismo do jogo.

  8. LOL! Eu já joguei e mestrei one-shots de vampiro mas não sou fã. De qualquer maneira ri muito com o ep. Valeu.

  9. Blefadora? hahahahaha! Boa Carina!

    • Pior é que ela se animou com a repercussão do episódio e está pensando em gravar mais alguma coisa… :)

  10. Arf… saudades do tempo de bate-papo na sala de casa com Dbohr e Blefadora… Sem contar dos inúmeros jogos, de mesa ou lives, no sistema.

    Realmente malkaviano eu só conheci uma pessoa que talvez tenha jogado bem com um, mas talvez este não conte pelo fato do jogador ser malkaviano, e não o personagem simplesmente.

    Daniel, se for retornar ao tema, lembre de convidar o outro Daniel, o Braga, para participar. Acho que vai ser uma adição ao assunto e tenho certeza que ele adoraria falar sobre o tema.

    • O Paladino-san e o Ooze gravaram um episódio de VtM ao mesmo tempo que a gente, que já está no site. Mas se a galera se animar de gravar mais uma parte para falar mais alguma coisa de Live-Actions vou lembrar de chamar o Daniel Braga, sim!

  11. Outra equipe gravou simultaneamente mais um ep de Vampire; mas se alguém se animar a falar (bem :-)) de live actions, certamente vou chamar o Daniel Braga!

  12. Realmente gostei desse episodio.

    Muito coisa que eu realmente não sabia sobre esse sistema. Nunca tinha pensando muito nesse sistema como uma coisa mais pessoal. Realmente essa é uma grande diferença entre o D&D e o World of Darkness. Tenho certeza quando começar a nossa Cronica, a informação fornecida por vocês vai ser realmente muito boa.

    Valeu mesmo,
    ~Cole

Qual sua opinião? Comente!

RSS FeedAssine o RSS do AP&C e não perca nenhum episódio

 

Somos orgulhosos de sermos afiliados a:


Free Delivery on all Books at the Book Depository

Qualquer compra nessas lojas nos garante 5% de comissão e nos mantém no ar.
Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE
%d blogueiros gostam disto: