Navigation Menu+

Euro vs. Ameritrash

Posted on Dec 27, 2013 in Vozes da Terceira Terra

Marcelo, Luciana e Alex (Estilingue) confrontam os dois estilos de jogos de tabuleiro.

[00:00] Apresentação do tema.
[02:04] Uma breve história dos jogos de tabuleiro.
[13:00] O advento da escola alemã.
[17:19] Ouro americano.
[19:55] Regras simples e acessíveis.
[24:08] Jogo rápido.
[25:57] Século 21: a Renascença dos jogos.
[31:03] Jogos para todos os gostos, todas as línguas.
[35:43] Enquanto isso, no Brasil…
[36:58] Encerramento.
[38:16] Recados e agradecimentos.
[40:37] Cartas e mensagens dos ouvintes.
[44:43] Encerramento.

Links citados:
Megah e Tyr – Dig Up Her Bones (Misfits Future Melodic Deathmetal Cover)
‘Werewolf 20th Anniversary Edition’ with Richard Thomas (episódio do Channel 2)

Nosso e-mail é vozes@terceiraterra.com

A trilha sonora deste podcast é de cortesia do músico Marcos Kleine. Visite sua página: MarcosKleine.com.br

A foto do destaque do episódio de hoje é a capa da primeira edição brasileira do Cartel (Acquire) da Grow; a imagem não está creditada no manual. A foto do topo é © 2013 Marcelo Duarte Ferrari e é uma ótima representação do discutido aqui; da esquerda para a direita: Battue (Ameritrash com elementos Euro), Shadow Hunters (designer game japonês, estilo Ameritrash porém abstrato), Age of Conan (Euro com cara de Ameritrash), Witch of Salem (designer game alemão quase puro) e The Lord of the Rings (designer game alemão mas com elementos importantes Ameritrash).

Se for comprar alguns dos produtos citados neste show, considere usar os links abaixo. Ganhamos comissão pelas vendas:

O envio mais rápido e rastreado é na

com os melhores preços na

com frete grátis no
Buy This Book from Book Depository, Free Delivery World Wide

 

Vozes da Terceira Terra #198, gravado em 27/12/2013.

3 Comments

  1. Apesar de quase não comentar, eu ouço todos os VTTs, viu?

    • Hehehe! Nós acreditamos e agradecemos, Augusto!

  2. Mais um episódio bacana, só uma observação: uma versão da origem do termo “ameritrash” que eu tinha escutado em algum outro podcast (só não lembro se era gringo ou nacional) era que os boardgames americanos usavam e se baseavam demais em componentes (independente do material, se era de plástico ou madeira), ou seja, o jogo se dava pela quantidade enorme de “tranqueira” (daí o termo) utilizada logo no setup inicial e/ou ao longo da partida. Abraço para o casal.

Qual sua opinião? Comente!

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE
%d bloggers like this: