Navigation Menu+

Demissões e processos

Posted on Oct 23, 2011 in Vozes da Terceira Terra

Marcelo e Ivar trazem as últimas notícias da terra do RPG: demissões na White Wolf, Vampiro: A Máscara MMO, fofocas sobre uma quinta edição do Dungeons & Dragons, o fim da batalha jurídica entre Hasbro e Atari e o jogo de tabuleiro mais recente da Wizards of the Coast, The Legend of Drizzt.

01:05 CCP demite quase todos os funcionários da White Wolf.
07:35 Uma quinta edição do D&D é necessária?
18:30 Fim da novela Atari-Hasbro.
24:28 The Legend of Drizzt é lançado nos EUA.
28:56 Ivar monta novo grupo de RPG.
31:23 Encerramento.

Links citados:

CCP demite 20% de seus funcionários — quase todos na White Wolf
Monte Cook alfineta aqueles que especulam sobre seu papel ser criar uma quinta edição do D&D
Cronologia da história da Atari, D&D Online e Neverwinter
Transformers e Magic: The Gathering evitam que a Hasbro tenha prejuízo no terceiro quadrimestre de de 2011

Gravado dia 22/10/2011, vía Skype. Vozes da Terceira Terra, episódio 129.

Castle Ravenloft, frete grátis, no

Buy This Book from Book Depository, Free Delivery World Wide

The Legend of Drizzt, frete grátis, no

Buy This Book from Book Depository, Free Delivery World Wide

4 Comments

  1. Putz nem sabia dessa novela do D&D.

    Marcelo em quanto tempo (em média) chegam os livros do Book Depository? Os Boardgames são considerados como livros (e logo não pagam imposto)? Se eu pedir uns 3~4 livros eles chegam juntos?

    Ótimo podcast, bem rápido e informativo.

  2. Marcelo que os Deuses te ouçam e que no futuro exista apenas D&D, sem edição, também acho que não precisa mais de números e não tem nada pior que não saber se o seu jogo será descontinuado bem na hora que vc chegou depois de anos de jogo no esperado nível épico. Mas, infelizmente, eu acho que a venda de livros possa forçar a continuidade dos lançamentos de edições.
    É esperar pra ver…

  3. Salve!

    Uma pena a forçada reformulação na WW, mas também torço para que consigam manter a produção de material de rpg.

    Sobre a questão de numeração nas edições do d&d, considero a opinião boa, mas improvável. Lançar nova logomarca e produtos traz toda uma estratégia de apresentar um novo conceito ao publico sobre um produto e um esforço para atrair novos clientes. Pode ser pouco em termos de lucro, mas é uma rentabilidade que imagino a empresa não esteja disposta a abrir mão tão cedo.

    Mesmo que por ventura não tivesse uma sigla, numeração ou qualquer outra forma explicita de sinalizar que se trata de numa nova edição, qualquer coisa lançada para substituir a 4E sempre sera vista, analisada e avaliada como 5E.

    De todo modo, acredito que a tendência de atualização das edições de d&d deve manter esse formato atual de revisar diretamente em programas como o character builder. Resta saber se ainda lançarão produtos de capa dura.

  4. yeah,

    -Em relação as demissões, eu sinto muito pelas pessoas que perderam o emprego, mas eu me pergunto se isto realmente danificará alguma coisa importante na empresa. Obviamente a White Wolf não vai poder ter o mesmo número de lançamentos e vendas que tinha nos anos 90, mas quase nenhuma empresa conseguiu estes mesmos números e várias destas continuam lançando produtos ótimos.

    -Monte Cook, novo formato de edição e livros de RPG: Um pouco triste com a notícia, mas eu ainda tenho meu precioso Iron Heroes.

    Eu não jogo D&D ativamente, então me perdoem se minha visão sobre a atualização online é limitada, mas substituir a atualização de edições por updates pelo computador é como criar um monstro de frankenstein.

    Novas regras são adicionadas, novos builds, novas erratas, e tudo isto sendo “colado” por cima do sistema, que por sua vez não foi pensado com estas mudanças em mente. Claro, se surgir um erro grave de sistema ou se aparecer uma combinação confusa de regras eles podem corrigir com outra atualização, mas será mais uma peça adicionada ou concertada por cima; Sem parar por um momento para analisar e concertar o sistema como um todo.

    Se me permitem uma analogia, é como um carro. Quando você o utiliza, problemas irão ocorrer e peças irão quebrar, e você pode concerta-las uma por uma, colocar um transversor subatômico novo, colar um esparadrapo nos buracos e pintas por cima ocasionalmente, mas logo você terá um carro de peças diferentes demais e cujas peças irão quebrar ainda mais constantemente.

    -RPGs precisam de apenas um livro e você pode jogar a vida inteira…até você ver os suplementos com coisas legais para seu personagem, aquele cenário interessante, aquele livro com dicas úteis para narrar, aquelas miniaturas, e não vamos esquecer dos mapas…Huh, aqueles dados são da sua cor favorita, acho que comprar um não vai fazer mal. Talvez aquele outro sistema para quando você cansar do principal, e vamos comprar aquele livro de rpg para ler ou só para pegar ideias para outros jogos, e não vamos esquecer daqueles que compramos na ultima convenção, e o material de pesquisa e inspiração. Vamos também pagar a assinatura deste programa por que o sistema utiliza muito dele, e algumas revistas de RPG que possuem adaptações interessantes. Ei, aquele escudo do mestre também seria útil, e mais algumas miniaturas para minha coleção. E nem começamos a falar dos aplicativos de Smartphone para RPG.

    E, yeah, é longe de ser algo da cultura norte americana. Nos podcasts da Terceira Terra, por exemplo, eu sempre ouço pessoas comentando sobre o novo rpg que compraram, o novo suplemento, as miniaturas, o dinheiro que levaram para a rpgcon, etcetera.

    -Enquanto eu estou falando de gastos de dinheiro, comprem os novos bonequinhos do Sebastião Fahrenheint Nemo, agora com dois pontos de articulação

Qual sua opinião? Comente!

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE
%d bloggers like this: