Navigation Menu+

O tropeço

Posted on Jan 26, 2010 in Vozes da Terceira Terra

Nesta segunda parte de dicas para GMs iniciantes, encerramos o assunto em meia-hora passamos para os e-mails que se acumularam nos últimos meses.

Plugue: Novas Crônicas.

SHOWNOTES:

[00:00] Recados.
[05:00] Nomes para o programa.
[06:20] Recaptulação rapidinha.
[07:08] É dando que se recebe (ou: todos conseguiram o que queriam?)
[13:30] Os valores na sua aventura.
[19:51] Escolhendo seu sistema.
[21:10] Quatro tópicos fáceis para criar aventuras.
[23:43] D&D Tiny Adventures do Facebook.
[29:32] E-mails dos ouvintes.
[48:47] A História de Meg, parte 2.
[59:39] Vozes de Fundo: Ken Follett, Bastardos Inglórios, L&PM Pocket, Coleção Vagalume, hábito de leitura.

LINKS CITADOS:

Imaginauta!
i!TV no YouTube
Editora Infinitum
Erros de gravação dos Thundercats
VTT Sessão 13: Terra Arruinada
Underground Haven
Tagmar 2
Jambô Editora

Nossa trilha sonora é cortesia de MARCOS KLEINE. Para conhecer mais o artista, acesse MarcosKleine.com.br

20 Comments

  1. Muito bom,algumas coisas eu ja fazia mas outras vou começar a usaar(Bullet Points…)
    Parabéns pelo podcast.
    e seria legal um episódio sobre pulp fiction e Sci fi(num sei se já pedi isso,se sim desculpe)

  2. Acabo d ouvir e parece que tá faltando o final. O arquivo corta na hora em que vc tá anunciando A História de Meg.

  3. Acabo d ouvir e parece que tá faltando o final. O arquivo corta na hora em que vc tá anunciando A História de Meg.

    • De fato. Estou carregando o arquivo novamente agora. Aviso quando estiver no ar.

      • Pronto. Arquivo recolocado no servidor e agora conferido. Eu deveria ter verificado o tamanho e a duração que apareceu no site. É uma boa maneira de saber se o arquivo carregou completo. Vou atentar para isso daqui em diante.

        • Engraçado o episódio "O Tropeço" também ter tido um "tropeço" na hora de upar! ^_^

  4. ¬.¬ acabei de ouvir pela metade. Mas vou baixar de novo. hehe. Mais coisa pra ouvir no caminho de casa, depois do trampo.

    Pessoal, parabéns pelo episódio! Já me perguntaram mais de uma vez como fazer pra começar um grupo e a resposta minha sempre foi "primeiro ache um cara disposto a ser um mestre, depois você vê o resto…" O episódio de vocês deu seqüencia na frase "… e peçam para ele ouvir os epísódios 72 e 73 do VTT!" ^_^

    Quanto ao Imaginauta…
    Hehehe… calma, calma. É semi impossível conseguir algumas licenças, por melhor que fique o nosso produto. Um cenário para a White Wolf ou um jogo de cartas com personagens da marvel estão fora de cogitação nesse sentido. É fã para fã mesmo. Um arrastão em nossas pranchetas levados para a internet e compartilhado com outros interessados.

    Nada impede de alguma coisa acontecer por aí e a gente receber alguma proposta (^_^) mas é improvavel que o material atual tenha essa característica. Em 2011 deve sair material original no imaginauta (temos alguns projetos) e esses podem sair em algum formato especial ou ser comercializado (pela gente ou por alguma outra editora).

    Fora isso temos profissionais que já trabalharam na Panini em albuns de figurinhas e diagramando quadrinhos. Idéias não faltam…

    Ah, o Magic é XMS (X-Men Set), e não Marvel, hehe. Tô tentando convencer o Zé Maria a fazer um set de magic mais abrangente, mas por enquanto só X-Men mesmo.

    Valeu pelo apoio!!! T+

  5. O plugue está apontando para a Irmandade Heróica, mas não deveria ser o Novas Crônicas?

  6. já q esse podcast foi para narradores iniciantes…
    qual sua opnião(marcelo e outros membros do VTT) sobre o uso de música como trilha sonora(pra dar um clima de ação,suspense ou terror) no RPG?

  7. Albilho, já usei algumas vezes… mas hoje em dia não mais. Dá muito trabalho, especialmente se você for usar como música de fundo – é necessário controlar quais músicas são necessárias, evitar que uma faixa de mistério acabe e passe para uma faixa de ação fora do momento certo… ou seja, além de ser mestre, você tem que ser DJ também. Acho que é mais trabalho do que vale a pena, e, especialmente se a música tiver vocais, eles acabam se misturando com as vozes dos jogadores.

    O que eu gosto de usar, às vezes, são letras de música como inspiração para aventuras. Aí sim acho que funciona. Mas como trilha sonora, não bate muito com o meu estilo.

    • Eu gosto muito de usar música em meus jogos, mas realmente não dá pro mestre controlar isso.

      O que costumo fazer é deixar um jogador encarregado do áudio, geralmente o que conhece mais os albuns e consegue colocar a trilha certa no melhor momento.

      E algumas poucas vezes, eu já penso numa música para uma cena, e se ela rolar, eu falo pro jogador colocar. Simples assim. Mas é certo que a música não pode sobresair, o volume tem que estar num nível que não dificulte ouvir os jogadores,

      Quanto a inspiração, carrego sempre comigo as trilhas de Star Wars e Conan! Não tem erro 🙂

  8. Vocês pretendem falar em algum episodio mais a frente sobre o steampunk e o cyberpunk hostaria muito de ouvir as opiniões do marcelo sobre o estilo de jogo é como ele faria para mestrar uma partida.

  9. Cyberpunk é um gênero sobre o qual estou querendo gravar faz tempo, mas estamos tirando uns temas da frente que estão na fila há algum tempo. Não faço promessas, mas espere papo sobre vários estilos de ficção científica no futuro.

  10. Adorei o Vozes de Fundo!!! LIVROS!!! Books forever!!! Sou viciada!!!

  11. Eu jogo D&D Tiny Adventures do Facebook.
    Ja estou na 5a geração.
    Isso vicia.

  12. Nossa, o fundo realmente ficou meio alto.
    Vou tomar mais cuidado nos proximso epis.

  13. Eu ouvi a segunda parte da história de Meg, e achei bem parecido com um jogo de RPG. E isto não é uma coisa boa.
    As vozes foram meio roboticas demais, como se estivessem apenas lendo as falas obrigatoriamente, embora a pessoa fazendo a voz da Meg tenha melhorado. Esta parte não avançou a trama, foi mais um encontro aleatorio, coisa que não combina bem com nenhuma história.
    A descrição do combate tambem não foi boa. Ficar descrevendo os monstros apenas como humanoides é estranho, descrever quantos passos o bicho dá tambem não é legal, e no final foi uma coisa repetitiva demais. Se tantos inimigos vão fazer a mesma coisa (dar nove passos e não machucar ninguem), então por que descrever cada ação individualmente?
    O que mais quebrou a narrativa para mim, foi o anão descrevendo suas magias. Por vários momentos eu esperava alguem falar “esta magia me dá um bonus de +2 em ataques”.

    As vozes de fundo ficaram ótimas, a discusão final foi melhor até que o epsódio em sí (que não foi ruim).
    yeah

  14. O comentário tá saindo só agora, pois fiquei meio perdido com a mudança do site (o feed não era direto do feedburner).

    Gostei muito doe últimos programas (72 e 73). A equipe está de parabéns. Tanto a antiga como a nova. Gostei muito da participação da Luciana, que tem uma voz muito bonita.

    Continuem assim, informativos e divertidos ao mesmo tempo.

    []'s

    Claudio

Qual sua opinião? Comente!

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE
%d bloggers like this: