Navigation Menu+

Eu e o RPG

Posted on Feb 10, 2010 in Vozes da Terceira Terra

Artur, Ivar e Luciana produziram uma sessão muito bem-humorada e divertida sobre os RPGs diferentes que jogaram há muito tempo atrás, ou os que gostariam de ter jogado, mas não jogaram. E, de tabela, provaram que uma sessão sem o Marcelo sai melhor!

Plugue: NitroCast.

SHOWNOTES

[01:38] Mulheres Machonas, Ninja Burger, Toon.
[09:40] Continuum, Daemon.
[18:56] D&D da Grow, Tagmar.
[24:04] Call of Cthulhu, Mago: A Ascenção, Changeling: O Sonhar.
[33:14] Castelo Falkenstein, In Nomine,
[45:22] Pedido aos ouvintes.
[46:40] A supremacia dos RPGs mainstream.
[49:47] Vozes de Fundo: macumba, gente chata em shows de rock.

Nossa trilha sonora é cortesia de MARCOS KLEINE. Para conhecer mais o artista, acesse MarcosKleine.com.br

[relatedPosts]

42 Comments

  1. E o tal RPG das freiras é o "Freiras Renegadas e suas Máquinas Maravilhosas". Google é meu pastor e nenhuma informação me faltará 🙂

  2. Oba! O podcast foi uma ótima companhia no caminho pro trabalho!

    Curti o episódio, muitos RPGs desses que vocês falaram habitam minha estante, a espera de um descuidado aventureiro desprevinido passar e sofrer um ataque de oportunidade que o leve a uma experiência de jogo diferente.

    Por falta de players interessados continuam a espera, Toon, GURPS Roma, Star Treck RPG (Deep Space 9 é um suplemento que me da dó de ver parado sem nunca ter sido jogado), Castelo Falkeinstein e Blue Planet.

    Ah, se não me engano no episódio 4 o Rodolfo explica e defende bem o Changeling! Olhem lá que muda bem a visão da gente das "fadas" da White Wolf. Eu mesmo fiquei com vontade de jogar depois de ouvir ele falando!

    Abração pessoal, e parabéns pelo episódio!

  3. Eu zuei no vozes de fundo…no show DA Sandy e Junior…viu viu viu?
    rssss

  4. Só EU falei palavrão Cara*****piiiiiiiiiiiiii

    • Que nada, eu censurei pelo menos uns dois do Ivar, e ao menos um do Artur.

      • Impressão minha ou um "bosta" da Luciana foi censurado? Essa não era uma das palavras permitidas? 🙂

        • Ah, eu cansei dessa piada (especialmente porque não dá para ficar censurando "indie" com essa nova turma; vamos falar muito de RPGs indie). Desde a formação da nova equipe, estou censurando qualquer tabuísmo, e deixando "indie" em paz. E, claro, censurando nas coxas só para fazer graça.

          • Eu percebi sobre o indie… ouvi uma ou duas vezes em episódios recentes…

        • a bosta da Luciana foi censurada….rssss
          uma frase, 200mil interpretações…kkkkkkkkkkkkkkkkk

          • Em minha defesa, eu disse "um" bosta.
            Não pretendia soar algo pejorativo 🙂

          • Brincadeirinha!!!!!!!
            (Ninguém entende meu humor…catzo!Preciso trabalhar isso….tsc tsc tsc)
            Bjos

  5. Eu falei também. Mas não tenho vergonha 🙂

  6. Ivar…QUANDO EXATAMENTE você tem vergonha de alguma coisa?

  7. Foi um bate papo bem descontraído e informal sobre esses RPG's, mas eu gostei, mas esperava mais…

    Iva(?) Os RPG's que você falou no final do episodio que foram para o d20 e se deram mal, não morreram o Oriental está na 5ed e o outro acabou de ganhar uma versão par Savage Worlds!

    Agora sim uma canelada, não falem mal do jogo de fadas da WW sem conhecer, eu não joguei mas pesquisei sobre ele e é um dos mais interessantes em minha opinião porque trata de um tema muito atual, muito perto de nós, é a Banalidade! A morte dos sonhos e esperanças a morte de uma vida interessante para se ter uma "vida" igual todo santo dia, e você preso nesse inferno!

    • As fadas tentam fazer o mundo mais interessante novamente para não se tornarem humanos chatos… e falando nisso tem um raça lá que faz até anão tremer nas bases de tão máscula que é.

      Como o colega disse acima o Rodolfo explicou bem melhor o jogo faz um tempo.

      E realmente sem o Marcelo foi legal, porque ele temo mesmo defeito que eu, fala pelos cotovelos( e os outros não e gosto do debate)… mas a outra equipe já tinha feito isso e a discussão foi muito produtiva.

    • Então, chapa… fui dar uma olhada no site da Alderac e eles realmente mantém o Legend of the Five Rings, tanto como cards e como RPG (apesar que fui apresentado ao cenário com o jogo de batalhas entre miniaturas). Entretanto, pelo que vi, a Alderac hoje é uma empresa bem diferente do que era antigamente. Tirando umas 2 linhas de produtos (L5R e Toolbox), eles estão mais focados em produzir e vender boardgames (que, ao que parece, são feitos por autores free-lance em vez de prata da casa).

      Quanto ao Savage Worlds: no site da Pinnacle estão 2 cenários de piratas interessantes (50 Fathoms e Pirates of the Spanish Main), mas o 7th Sea é diferente desses dois (considero inclusive melhor que estes), e, infelizmente, parece que continua no limbo.

  8. Narrei Mago durante bastante tempo, e é a melhor experiência pro mestre. Agente tem que conhecer TODO o sistema de magia, e ter uma interpretação própria pra guiar a aventura. De todas as vezes que fui narrador o Mago foi o único que realmente exigiu trabalho e tempo, mas foi disparado o que eu gostei mais, é outro nível mesmo. Ainda não joguei o do NWoD, mesmo porque estou sem grupo (mudança de cidade é praga pra RPGista), mas só de saber que tem magias " pré-fabricadas" fiquei de cara, não gosto dessa tendência de tudo ser "for dummies", se antes tinha que se esforçar um pouco pra jogar eu acho que era parte importante, e que se perde com esse lance de lista de magias.
    Quanto as " fadas", o jogo é tudo, menos bonitinho, a equipe antiga já tinha até comentado sobre ele uma vez, já narrei e é de deixar sem dormir de noite depois.
    Nos RPGs noventistas de humor ficou faltando o Paranóia, em que os personagens tem até clones pra ficar mais fácil de substituir quando eles morrerem.

  9. Para os entusiastas… podemos dizer que Changeling/Fada seria algo parecido com o filme "O Labirinto do Fauno?"

    • Com certeza, muitos elementos em comum, quando ví o filme foi a primeira coisa em que pensei.

  10. Então…Arquimago e Nicco…ninguém falou MAL de Changeling!EU começo a discussão falando que nunca joguei, que é ignorância minha…ai eu BRINQUEI, falando que eu achei estranho quando me contaram que “vc joga com um personagem fada”. Afinal, vc não pode falar mal ou ter preconceitos sobre algo que não conhece, certo?
    Tentarei me expressar de uma forma melhor das próximas vezes (se existirem…kkkkkkkkkkkkkk)
    Afinal, o pod é bem humorado e toda piada pode (e nesse caso foi) mal interpretada!!
    Normal!
    Beijos a vcs e EU AMO AS FADASSSSSSSSSS!!!!!

    • <quote>Afinal, vc não pode falar mal ou ter preconceitos sobre algo que não conhece, certo?</quote>

      Na verdade, para ter preconceitos basta não conhecer 🙂

      • EXATAMENTE Sr. Rafael!!!
        Obrigada pelo complemento e VIVA CHANGELING!!
        Quero jogar ontem depois de todos os comentários em defesa!!!
        Bjos

  11. Mas falando agora sobre a foto da estante de RPG do Marcelo:

    1: Star Wars, é o Saga?
    2: Ruins of Undermountain, é o mesmo que saiu em portugues pela Abril?
    3: Será que sou eu o UNICO ser miserável que coloca aquelas capas plásticas resistentes e bacanas em seus livros de D&D 4E? Se bem que os do Marcelo estão novinhos ainda! (Até o PHB II, que era do Renato de Recife!)

    • Ah, eu sabia que alguém iria descobrir que a foto é da minha estante! Respondendo:

      1. Sim. É o Saga (livro básico) e o Clone Wars.
      2. A caixa é do Deep Levels (Undermountain 2 — a foto ficou cortada bem antes do "II"), mas dentro da caixa tem também o Undermountain 1 que saiu pela Abril.
      3. Eu tenho um par daquelas capas plásticas, e o PHB 1 estava nelas até semana passada. Agora eu só as uso quando vou levar o livro para a casa de alguém.

      • "Ah, eu sabia que alguém iria descobrir que a foto é da minha estante!"

        Como se eu não ouvisse Vozes…

        Star Trek + Star Wars + Trinity + D&D 4E + Planescape = Marcelo Dior, sem dúvida nenhuma…

        (Isso lem levar em conta o Dragonlance e o Call of Cthulhu…)

        • Se serve de alguma coisa, eu também tinha certeza, pelos mesmo motivos do Big. Na verdade, é como se ele tivesse montado a estante só pro post. Tem até o "anjo de fogo" do Well of Worlds 🙂

  12. Curti o cast! Companhia de ida ao trabalho. ^^

    Desses RPGs mais desconhecidos eu gostaria de jogar Ars Magica e Das Schwarze Auge (The Dark Eye).
    Mouse Guard, Eclipse Phase e Shadowrun tbm emtram nessa lista.

  13. Olá Pessoas! sempre muito bom ouvir o Cast… me faz pensar bastante a ponto de querer interferir na conversa, como se estivesse sentado na mesa com vcs.
    Uma dessas coisas foi no momento em que vcs tentaram encontrar exemplos de jogos brasileiros que se utilizam do folclore tupiniquim. Na hora eu me lembrei de um dos RPG's que eu tenho que eu mais gosto e que acredito poderia ter se encaixado perfeitamente na discussão, por ser um jogo já antigo e meio "cult":
    O Era do Caos!
    (Estranho pensar que o tema do livro básico se situava num Brasil quase pré-apocaliptico de futuro próximo, algo entre 2010 e 2020!!!)

    Ele possuia um suplemento que se chamava Lendas e tinha aquela visão mais dark dos personagens do nosso folclore… bem legal!

    Mas isso vcs já devem saber, né… hehehe
    Me empolguei e escrevi demais. A idéia era só relembrá-los mesmo.

    Abraços!

    • À direita, daquele livro com espiral para cima é tudo Era do Caos. Infelizmente, o único suplemento que não tenho é justo o Lendas!

      A espiral no livro básico foi necessária porque, de tanto usar, as folhas começaram a se soltar. O Savage Worlds (lá no cantinho esquerdo, bem discreto em seu formato menor) vai passar pelo mesmo processo, mas no caso deste (que só foi lido de cabo a rabo duas vezes em um ano) é por que uma tiragem saiu com a cola fraca. A editora troca, mas é um tipo de livro que precisa ficar aberto junto ao GM, então a espiral vem a calhar. Lição aprendida com o Era do Caos!

      • Cara, sabe que tô quase comprando outro Star Wars Saga só pra ter um de estante e outro de combate?

        O meu SAGA já tem quase três anos de guerra, as quinas estão todas machucadas e várias páginas estão com battle scars!

        Comprei recentemente quatro suplementos de Pendragon que o autor vende por demanda. E talvez por isso a qualidade do papel seja lamentável. O que achei um absurdo dado o preço. Tô pensando em xerocar cada um pra preservar os originais. Agora isso sim é old school. #geracaoxerox

    • Uma coisa legal (pelo menos na época em que eu conheci uma galera de lá, nos tempos em que o projeto Brazil by Night ainda estava popular) era que o público do RJ era bem mais aberto a RPGs fora do mainstream, em particular aqueles produzidos pela GSA (como o Desafio dos Bandeirantes, o Tagmar original), que depois virou a editora Akritó (com o Era do Caos, entre outros projetos).

      Entretanto, como as editoras eram pequenas e o meio de comunicação mais famoso no Brasil na época era a revista Dragão Brasil, a divulgação de projetos nacionais acabava sofrendo um pouco nas mãos dos editores, que, especialmente depois que 3d&T e Tormenta começaram a ganhar corpo, tinham o hábito de espinafrar (ou simplesmente ignorar) iniciativas de projetos nacionais que não fossem voltados aos "sistemas da casa" (os supramencionados 3d&T e seu cenário Tormenta).

  14. Ainda não terminei de ouvir o episódio, mas não quero esquecer de comentar. Achei um episódio muito legal, super fácil de ouvir. Reconheci praticamente todos os sistemas citados, com exceção do Continuum, que me interessei.

    Mas tenho que discordar do Arthur quando ele diz que o D&D como sistema acabou na TSR. Não por achar que ainda é a mesma coisa, a ruptura do sistema com a 4e foi drástica de fato. Mas querer colocar o D&Dzinho com o AD&D no mesmo balaio de sistema é um absurdo. Existem muito mais diferenças entre eles do que entre o AD&D e o D&D 3e, na minha opinião. E mesmo o cenário D&D mudou muito ao longo das edições, mais do que o sistema até.

    Além disso, gostaria de citar alguns RPGs diferentes que joguei: o mais interessante foi Dread, o RPG que você usa um Jenga como ferramenta de realizar ações, vale a pena ir atrás. Também já joguei Mago (tanto no presente quanto na versão medieval), Ars Magica, Changeling, Adventure!, Marvel Super Heroes, Dragonlance SAGA, e outros que estou esquecendo. Se for citar os que tenho ou conheço e não joguei, aí a lista cresce muito! 🙂

    Parabéns pelo trabalho! Foi bom ficar sem a tagarelice do Marcelo um pouco pra variar! 😀

    • Já dei uma lida no sistema que usa o Jenga (versão brasileira Herbert Richers: Torremoto), achei uma mecânica bem legal para a questão da sanidade coletiva 🙂 Bem lembrado!

      Quanto ao D&D ter acabado no AD&D: ainda estou guardando minhas opiniões a respeito, para expô-las (e expor-me) ao público após jogar as aventuras da 4ª edição que o Marcelo está mestrando.

  15. Eu odeio esse tipo de epsódio…fico com vontade de comprar/jogar tudo que é comentado! Maldição!

    Por hora basta me concentrar em Dragonlance 5th age!

  16. Será que um ser feérico, quando come muito vira um ser esférico, *g* ?

    Muito legal esse episódio. Vocês esqueceram de falar do TWERPS, hehe. Esse eu tinha.

    O que eu gosto muito no Podcast de vocês, é a qualidade da voz. Não a de som, mas a voz, que é sempre clara. Ótima companhia pra sair nesse frio daqui, de -5 °C.

    • Obviamente, você está falando das vozes do Artur, do Ivar e da Luciana!

    • Vozes veladas, veludosas vozes,
      volúpias dos violões, vozes veladas,
      vagam nos velhos vórtices velozes
      dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.

      (Cruz e Sousa)

  17. Opa, que bom que está curtindo 🙂 Em relação às vozes, acho que, para mim, a parte mais difícil nesse espaço de tempo em que estamos na equipe do VTT foi conseguir evitar terminar cada frase com "né?", como eu vinha fazendo nas primeiras participações. Vício dos tempos de professor… hehehe

    Sobre TWERPS: me lembro de ter visto à venda mas nunca me interessei em comprar. Vale a pena mesmo?

  18. Ouvi hoje e adorei, hehehe, muito bom o episódio.

    Os RPG mais diferentes que joguei foram o Dragonlance 5th Age, Scion: Hero, Call of Cthulhu e Dark Heresy.

    Os que eu tenho e nunca tive a oportunidade de jogar são True20, GURPS Discworld, RPGQuest e Star Trek Deep Space Nine RPG, eu tinha e vendi Era do Caos, Gênesis, Senhor dos Anéis RPG, Mítica e Shadowrun.

  19. Pq nunca me disseram q eu podia usar o d12 pra ver o signo do personagem?!?!?!?!
    Assim eu nao teria comprado um d12 q ao inves dos numeros tem os simbolos do horoscopo… affffff

    Luuuu.. me chama pra jogar Toon q eu vouuu… nããããooo esquece de mim!!!!!!!!!!!!!!!!!

Qual sua opinião? Comente!

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE
%d bloggers like this: